Veja os gastos totais do inquilino no imóvel alugado

É comum que os prédios, tanto residenciais quanto comerciais, cobrem algumas contribuições que vão além do valor do condomínio. Por exemplo: taxa extra, fundo de reserva e fundo de manutenção. Por mais que essas taxas, muita das vezes, sejam exigidas por poucos meses, é uma conta extra no bolso. Mas, espera aí, é cobrada no bolso de quem: inquilino ou proprietário do imóvel? Saiba agora quais são os gastos totais do inquilino no imóvel alugado.

Por que existem as taxas extras do condomínio no imóvel alugado

Primeiro, tenha em mente que essas taxas extraordinárias, não só a do condomínio propriamente dito, tem o único objetivo de beneficiar os moradores. Se não vai trazer alguma melhora para o dia a dia dos condôminos, tem algo errado nessa conta, viu?

As taxas extras são cobradas por vários motivos. Por mais que sejam custos momentâneos, são benfeitorias aproveitadas por muitos e muitos anos. Caso contrário, elas estariam embutidas com o preço pedido no valor do condomínio propriamente dito. São taxas cobradas a mais, taxas extras como o próprio nome diz. Elas vêm e vão.

É o caso de adequação à alguma nova norma do Corpo de Bombeiros no quesito segurança. Mas pode ser também cobrado um valor a mais para investir na estrutura do prédio, no caso de reformas na fachada ou na área de lazer.

Por mais que sejam cobranças com tempo determinado em convenção do condomínio, é um gasto indesejado. Por isso, tenha em mente que, ocasionalmente, essas taxas serão cobradas ao proprietário.

O que está dentro das taxas ordinárias

Você já sabe que o valor do condomínio é pago pelo inquilino, não é mesmo? Assim como o IPTU, são contas de responsabilidade de quem está morando no imóvel e usufruindo do que o prédio tem a oferecer.

São as chamadas taxas ordinárias e são elas que mantêm o condomínio funcionando. A convenção do condomínio define esse valor entre os moradores em uma reunião.

Geralmente é embutido o salário de funcionários, como porteiros e faxineiros ou empresa conservadora, síndico ou da administradora; além de manutenções diversas e frequentes, como elevador e sistemas de segurança.

O valor do condomínio ainda engloba as contas gerais do prédio que são divididas por todos, como a energia elétrica dos espaços comuns e água.

Se ficou com alguma dúvida, peça para ver o balancete com a prestação de contas com tudo o que foi gasto pelo condomínio naquele mês. Fica com o síndico ou com a administradora do condomínio. É seu direito de saber o que é feito com seu dinheiro, tudo bem?

Quem paga o quê de uma vez por todas

As taxas ordinárias, cobradas no valor do condomínio, são de responsabilidade do inquilino. 

Já as taxas extraordinárias, como taxas extras ou fundo de reserva, são de responsabilidade do proprietário do imóvel. 

Mas existem algumas situações que quem paga a taxa extra é o inquilino, como o caso de pinturas. Veja no vídeo:

Planeje o gasto com aluguel que cabe no seu bolso

É verdade que, dependendo da estrutura do prédio, o condomínio fica com um preço mais elevado. Afinal, os gastos também são maiores, né? É um custo x benefício que tem que fazer sentido para você.

Por isso, leve em conta o seu dia a dia para escolher o imóvel ideal e, consequentemente, se ajustar aos gastos totais do inquilino no imóvel alugado.

Já que falamos sobre o porteiro, confira se compensa morar em um apartamento com esse profissional:

Prédio com porteiro em Juiz de Fora, vale a pena?

Outra dúvida muito comum é sobre a área de lazer e o seu custo. A manutenção desse tipo de espaço nem sempre é barata e quem usufrui dela é quem arca com o seu funcionamento.

Ou seja, o inquilino usa a piscina ou a quadra, é o inquilino que paga junto com os outros moradores. Não o proprietário, que não tem direito de aproveitar desse espaço. Aliás, usando ou não a área de lazer, já tem essa despesa no início do mês para somar aos gastos totais do inquilino no imóvel alugado.

Então, novamente reflita sobre os seus hábitos em família. Se vale a pena morar em um prédio com área de lazer, isso depende de você.

No fim das contas, quais são os gastos totais do inquilino no imóvel alugado?

Resumindo, o condomínio e IPTU ficam por conta do inquilino e a possível taxa extra é de responsabilidade do proprietário. De tal forma que é válido sempre conferir no boleto para pagar apenas o que lhe é devido, combinado?

Dessa forma, veja abaixo como é feita essa divisão nas contas para você não pagar nenhuma multa:

Outro gasto que o inquilino pode vir a ter é com a garantia locatícia. Ela é uma comprovação que tranquiliza o proprietário sobre o pagamento do aluguel em caso de inadimplência, por exemplo.

Por isso, anote aí para somar aos gastos totais do inquilino no imóvel alugado: IPTU + condomínio + garantia locatícia. 

Existem várias opções de garantia locatícia para você definir de acordo com o seu perfil. A gente te explica tudo sobre elas aqui:

Veja 3 soluções para o aluguel de imóvel sem fiador

Você já sabe a soma dos gastos totais do inquilino no imóvel alugado e agora sim é possível se planejar financeiramente para dar esse próximo passo que é a escolha pelo imóvel ideal!

site da Souza Gomes tem vários imóveis disponíveis para aluguel. Você pode pesquisar pelo número de quartos, bairro, preço e até por geolocalização.

Se ficou alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo ou então fale com a gente pelo aluguel@souzagomes.com.br.

Thaiza ass

Thaiza Gribel


Jornalista e Assessora de Comunicação da Souza Gomes Imóveis

O que você achou desse texto?

%d blogueiros gostam disto: