Quais as opções de pagamento para imóveis novos?

Tempo de leitura: 3 minutos

Comprar um domicílio entre tantos imóveis novos disponíveis no mercado, não é uma tarefa simples. É necessário avaliar não só suas necessidades com relação à quantidade de quartos, localização da residência, etc. Mas também as formas e condições de pagamento para essa transação. Sendo assim, conheça algumas formas de pagamento comuns no mercado para avaliar as mais interessantes para o seu perfil.

Pagamento à vista

A compra de imóvel à vista pode proporcionar diversos benefícios ao investidor. Um deles é um poder maior de negociação para garantir descontos no valor total do empreendimento e mais controle nas outras contas. Pagando o imóvel à vista, o proprietário se “livra” de encarar parcelas com juros. Esse método permite que o morador foque em gastos de outros projetos, como uma decoração diferenciada no lar.

Um ponto de atenção que deve ser levado em conta é a possibilidade de descapitalização, ou seja, acabar ficando sem dinheiro no banco ao usar todas as economias para quitar a residência. Para evitar isso, é importante fazer uma compra que se adeque ao seu bolso ou elabore um planejamento financeiro para o cenário futuro.

Consórcio imobiliário

O consórcio é indicado para quem não tem pressa em se mudar para o novo imóvel. A vantagem de adquirir um empreendimento por meio dessa modalidade é que as parcelas do sistema não têm juros e, geralmente, seus valores são definidos com base nas condições do beneficiário.

O consórcio é formado por grupos de pessoas físicas ou jurídicas, com objetivos em comum. Controlado por uma empresa administradora, tem os prazos e contemplações definidos pela instituição. Mensalmente, todos os consorciados pagam parcelas que serão somadas para o total de uma única carta de crédito. Por meio de sorteio ou lance, as pessoas vão recebendo os valores que precisam para adquirir seu bem, até que todos sejam beneficiados.

O valor que for depositado na conta do beneficiário poderá ser usado por ele para dar entrada em financiamento ou negociar um imóvel à vista.

Financiamento imobiliário

Para quem deseja comprar um novo imóvel mas não tem dinheiro suficiente disponível no banco, a melhor opção é o financiamento imobiliário. Nesse sistema, o comprador faz um empréstimo com o banco para ter crédito para a compra do domicílio. A partir do pagamento de entrada – que não deve ultrapassar 30% do valor da sua renda total – o beneficiário passa a devolver o total em forma de parcelas com juros ao banco que ofereceu o financiamento.

Nessa modalidade, a manutenção de um planejamento financeiro é muito importante, já que pode auxiliar no adiantamento de parcelas, garantindo a redução dos juros e, por consequência, do valor total do empreendimento. Dependendo do agente financeiro e do valor do apartamento, é possível utilizar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para amortização das prestações, assim como para reduzir o peso das despesas.

Evite maus negócios

Por conta de o mercado imobiliário viver em constante mudança, a avaliação dos compradores leigos em operações do setor de imóveis é dificultada. Por isso, vale consultar um corretor de imóveis para ajudá-lo a identificar as vantagens e desvantagens de um negócio. Na hora de encontrar um lar dentre os imóveis novos disponíveis no mercado, desconfie de valores muito menores do que os que já foram encontrados por você.

Comprar um imóvel não é uma tarefa fácil e conciliar com a economia tanto do mercado quanto pessoal, é uma tarefa a mais durante esse processo. Porém, agora que você conhece três métodos diferentes para conquistar esse bem, basta avaliar o que mais lhe oferece vantagens e combina com você.

Ficou alguma dúvida? Chegou a hora de escolher qual imóvel comprar em Juiz de Fora: visite nosso site e confira as opções para você!

Blog Souza Gomes VR


Texto escrito pelo Portal Viva Real exclusivamente para o Blog Souza Gomes.
www.vivareal.com.br          www.souzagomes.com.br

 

O que você achou desse texto?

%d blogueiros gostam disto: