Precisa negociar um imóvel na pandemia do coronavírus? Veja 5 dicas

Não é hora de sair de casa sem necessidade. Visitar imóveis, principalmente quando ocupados por moradores, é delicado nesse momento de pandemia do coronavírus. Mas já pensou que tem gente que precisa mudar de qualquer jeito? Para negociar um imóvel na pandemia do coronavírus, tanto o cliente quanto o profissional da área redobram os cuidados.

Seja por doença, por mudança de trabalho, por necessidade financeira, pela exigência de um home office… Veremos a seguir como evitar o contágio e manter as negociações em andamento, incluindo o caso de atendimentos urgentes.

1. Conversa virtual

Muitas famílias, ao conviverem por mais tempo em casa, começam a reparar em coisas que a rotina corrida antes escondia. E os motivos para esse sentimento são diversos: espaço para as crianças brincarem, necessidade de um escritório mais confortável, área para o cachorro ficar mais calmo e um ambiente para o casal relaxar são alguns deles.

Por isso, aproveite esse tempo para pesquisar os imóveis no site, se informar por meio de vídeos e textos como esse aqui do blog e conversar com um corretor capacitado para te atender. Por e-mail, whatsapp, telefone, videochamada ou pelo canal que preferir! A orientação é que se evite o contato físico, o que não pode é ficar com dúvida sobre seu novo lar.

Mas, esse sentimento de que chegou a hora de mudar pode ter motivações ainda mais imediatas.

2. Urgência na visita 

A mudança para um novo imóvel pode ter motivações que não são viáveis de esperar o estado de pandemia passar. Com isso, negociar um imóvel na pandemia do coronavírus impõe ainda mais restrições e cuidados.

Um exemplo: uma cliente precisa visitar um imóvel com urgência pois trabalha na área da saúde e existe o risco de contaminação para os demais membros da sua família.

E agora, o que fazer? O Ministério da Saúde orienta algumas precauções que podem ser aplicadas:

  • Não agende a visita se estiver com algum sintoma, como febre;
  • Prefira visitas individuais;
  • Higienize as mãos com álcool em gel 70%, principalmente se tocar em objetos como maçanetas e janelas;
  • Evite tocar olhos, nariz e boca na hora na visita;
  • Corretor e cliente utilizem máscaras e fiquem em uma distância mínima de cerca de 2 metros, evitando qualquer tipo de contato físico.
  • Mantenham os ambientes bem ventilados;

Todos sabem que não é hora de deixar a residência, mas com esses cuidados pode-se evitar complicações ainda maiores em casa. Veja outro exemplo abaixo.

3. Mudança de imóvel na quarentena

Negociar um imóvel na pandemia do coronavírus é ainda mais evidente por questões financeiras.

É o caso de inquilinos que, por estados de emergências em seus próprios negócios ou empregos, precisam ir para um imóvel mais barato ou então ficar por um tempo na casa de familiares ou amigos. Assim, o apartamento ou loja alugado têm seus contratos rescindidos.

Cada caso precisa ser repassado pela imobiliária ao proprietário do imóvel. Isso acontece pois ele é o único responsável por aceitar descontos, parcelamentos ou então, em últimos casos, a retirada da multa de saída desse imóvel alugado.

O assunto foi tema de reportagem do jornal Tribuna de Minas, confira a matéria aqui.

4. Ajuda da tecnologia 

O atendimento online já foi citado, mas outras facilidades tecnológicas auxiliam no processo virtual de compra, venda e aluguel de imóveis e minimizam os impactos de se negociar um imóvel na pandemia do coronavírus.

Conheça algumas iniciativas voltadas para o aluguel:

E outras melhorias para o setor de modo geral:

A tecnologia que antes era pensada principalmente para deixar a vida dos clientes mais confortável, agora também se torna uma aliada na luta pelo segurança e bem-estar de todos.

5. Cenários para se negociar um imóvel na pandemia do coronavírus

Por fim, o último cuidado é em relação às previsões. Não é possível prever datas ou cenários no setor de imóveis pós quarentena. Tudo acontece muito rápido e a preocupação maior é com a vida de clientes, profissionais da área e seus familiares.

O trabalho das imobiliárias, assim como o da Souza Gomes, passou e ainda passa por transformações, mas segue cada vez mais forte, principalmente diante das novas taxas de juros anunciadas no início do ano.

A expectativa é de que os cuidados com a saúde e com o atendimento aos clientes continuem em melhoria contínua.

Mesmo com a retomada do trabalho presencial, a precaução se mantém, assim como o desejo de facilitar os processos de compra, venda, aluguel e a rotina de trabalho dos colaboradores.

Thaiza Gribel

O que você achou desse texto?

%d blogueiros gostam disto: